A qualidade da alimentação nas nossas escolas

Uma interessante investigação sobre o estado da oferta alimentar nos bufetes e máquinas de venda automática (MVA) em estabelecimentos públicos de 2º e 3º ciclos e ensino secundário da cidade do Porto, foi realizada recentemente pela Dra. Joana Pinto de Carvalho.


Apesar de ser um estudo académico, que não dá informação nacional e da responsabilidade da oferta ser das próprias escolas, observou-se que 62,5% dos bufetes disponibiliza bolachas com elevado teor de gordura/açúcares e 56,3% tem produtos de pastelaria à venda. Dos bufetes observados quase todos fornecem alimentos não permitidos pelos regulamentos da Direção-Geral da Educação.

Estes dados sugerem, que apesar de existirem recomendações de elevada qualidade a nível nacional e da oferta ser boa, de um modo geral, ainda persistem muitas escolas com excesso de produtos de pastelaria à venda.

As soluções passam por uma maior vigilância e participação ativa dos encarregados de educação, por uma maior proatividade dos diretores e direção das escolas e maior vigilância e capacidade de fiscalização no geral.

Por outro lado, a oferta fora das escolas é muitas vezes de muito má qualidade comparada com a da escola mas a baixo preço, o que torna maior o desafio (colocado a toda a comunidade educativa, encarregados de educação incluídos).

A dissertação académica pode ser consultada aqui.

Um trabalho para refletir e agir!
(12 de outubro de 2015)

Deixe os seus comentários

Publicar comentário como convidado

0
termos e condições.

Comentários

  • Nenhum comentário encontado